sábado, 2 de dezembro de 2017

Um brunch com amigos e uma tarte de alheira e maçã reineta!



Já “cheira” a Natal por todo o lado. It’s Xmas time! Oh! Oh! Oh!
 Desculpem-me… entusiasmei-me!
Aproveito sempre esta época para reunir alguns amigos para um jantar de Natal… antes do Natal… porque a noite da consoada é para a família. É sempre muito bom reunir amigos à volta da mesa, pôr a conversa em dia, ver como os miúdos cresceram e, acima de tudo, constatar mais uma vez que, apesar das distâncias, quando nos reunimos parece que o tempo não passou. A amizade, a cumplicidade continua inalterável… e é tão bom!
Desta vez optamos por um brunch… que se prolongou por toda a tarde, entre iguarias e conversa animada. Para decorar a mesa, mais uma vez, podemos contar com a criatividade da Isabel, da Isabel Guise Decoração de Eventos que, como sempre, conseguiu “captar” o ambiente que tinha planeado… informal, intimista e bastante cozy. Optamos pelos tons rosa e azul petróleo e claro, os verdes e as velas para compor o restante cenário.  A Isabel apresentou-nos uma novidade que fez bastante sucesso: os soutplats (adorei o facto de ser cor de rosa) que mediante a proposta, podem dar um toque mais cosy ou requintado.


Deixo-vos uma das receitas do nosso brunch: uma deliciosa tarte de alheira e maça reineta.

  • 1 base de massa folhada (ou quebrada)
  • 2 alheiras sem pele
  • 2 maçãs reineta
  • 1 tomate maduro
  • pimento vermelho a gosto (usei metade de um grande)
  • 1 cebola roxa
  • 200 ml de molho bechamel
  • 2 ovos
  • azeite q.b.
  • Tomilho q.b.

  1. Ligar o forno (250º);
  2. Levar a cebola picada ao lume com o azeite até alourar;
  3. Adicionar o tomate, o pimento e as maças em cubos, as alheiras e o tomilho e deixe cozinhar até que todos os ingredientes fiquem macios;
  4. Com um fuet, misturar os ovos com o molho bechamel;
  5. Incorporar o molho bechamel  no preparado de alheira;
  6. Colocar a massa folhada na tarteira, picar com um garfo;
  7. Colocar o preparado de alheira na tarteira e levar ao forno (+-150º) até que a massa folhada fique dourada(cerca de 30 minutos)





















domingo, 26 de novembro de 2017

Calendário do Advento #2017


Como já sabem, as surpresas do calendário do advento que todos os anos faço para os meus filhos, são ... lambarices! Eu sei que as crianças não devem comer muitos doces ... "let it be! It' Xmas time! Cá por casa sempre houve um docinho por dia até ao 24. E isto não é fácil. Passo a explicar:

Problema nº1:
Estamos a falar de 24 pequenas surpresas doces, todas diferentes, entre chocolates, rebuçados, gomas, torrões, chupas etc & tal. Confesso é necessário algum tempo e paciência para encontrar estes 24 tesouros.
Solução: Vasculhar tudo o que é supermercado e cafés em busca dos tesouros.

Problema nº2:
Cuidado com o aquecimento em casa... o ano passado encontramos alguns doces semi-derretidos!
Solução: Colocar o calendário afastado de lareiras, aquecedores...

Problema nº3:
O Boss! O calendário tem que ficar bem longe do alcance do nosso querido Boss (o nosso pastor alemão)... caso contrário, o Boss consegue "adiantar" o tempo e engolir vários dias de uma só vez! Sim, isso também aconteceu o ano passado.
Solução: Posicionar o calendário num sítio bem alto. Boss, este ano não tens hipóteses!

Problema nº 4:
Conseguir fazer um calendário diferente todos os anos!
Solução: Este ano, a falta de tempo foi muita e a solução foi o Aldi.

Depois de ultrapassar todos estes problemas, aqui fica o nosso calendário do advento #2017:








sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Habana Café


Queridos amigos,
Ontem o dia foi por Havana. Esta cidade respira música em cada esquina. É impossível andar mais de 20 metros sem ter vontade de dar um passinho de dança. E os carros? É tanta cor e são tão giros que só dá vontade de os conduzir a todos. Hoje de manhã o dia foi de praia! Como é possível não querer ficar aqui para sempre? Entre a areia branca, o mar azul, as palmeiras e o sol, existe pouco espaço para nos lembrarmos que estamos de férias e que vamos ter que voltar.
Durante a tarde fomos visitar uma fazenda de café e encontramos um blend raro, criado nas montanhas insulares de Cuba, sombreado por árvores centenárias e iluminado pela tradição de gerações.

Era bom, não era? Tenho tantas saudades de Cuba, de Habana... um dia, volto.

A Delta Cafés desenhou um blend raro que me faz viajar a cada chávena. Da alma do povo cubano, nasce um café inspirador, pela sua envolvente e delicada fragrância, ritmada de notas cítricas e um doce sabor intenso.

... tão inspirador que nos levou a esta receita, deliciosa, com aromas cubanos, para partilhar!

  • 200 ml de café Delta lote Cuba
  • Açúcar em pó a gosto
  • cerca de 50 ml de rum 
  • sumo de meia lima
  • natas batidas q.b.
  • 1 rodela de lima
  1. Adoce o café a gosto com o açúcar em pó e leve ao frigorífico para ficar bem fresquinho;
  2. Adicione o sumo de lima e o rum;
  3. Coloque no copo de servir;
  4. Com cuidado, coloque as natas por cima do café;
  5. Decore com a rodela de lima e... beba! É muito bom!








sábado, 11 de novembro de 2017

Queijo Fresco com Ervas e Flor de Sal


Este ano tenho a sensação que tenho duas vidas. Uma, ao fim de semana, em ninha casa, com as minhas coisas, com a minha família. Outra, durante a semana, no meu local de trabalho, muito agradável, por sinal… mas longe da minha vida do fim de semana. Entre idas e vindas, o tempo, fica muito curto e é necessário gastá-lo com aquilo, ou melhor dizendo, com aqueles que nos enchem o coração.

O tempo que tenho para o meu Flor de Sal é curto, apressado… no entanto, estou aqui… com um delicioso Queijo Fresco com Ervas e Flor de Sal.

Este queijo pode funcionar como uma entrada ou como um lanche. Tem tudo de bom: é saudável, super fácil de fazer, económico e delicioso.

  • 1 queijo fresco Saloio
  • 1 punhado de mistura de ervas secas
  • Flor de Sal

  1. Retirar o queijo fresco da embalagem e secar um pouco com papel de cozinha;
  2. Colocar a mistura de ervas num prato e “rolar” o queijo nas ervas;
  3. Colocar o queijo num prato de servir e polvilhar com Flor de Sal.
O queijo fresco Saloio tem textura macia e aveludada e é uma fonte natural de cálcio. 

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Pulpo a la Gallega



Pulpo a la Gallega ou Pulpo a Feira é um prato típico da Galiza. Esta é uma das tapas mais apetecidas de Espanha, onde podemos encontrar as pulperías (locais especializados em servir este prato) onde as pulpeiras preparam esta iguaria.  

  • 1,5kg de polvo
  • 2 folhas de louro;
  • 3 dentes de alho;
  • 1 colher de sopa de colorau doce ou picante (prefiro o picante)
  • Azeite q.b.
  • Sal grosso q.b. 
  1. Colocar água a ferver numa panela grande (cerca de 2 litros) e adicione o louro, o os alhos e o sal;
  2. Quando começar a ferver temos que “assustar” o polvo para que a pele não se solte: mergulhar o polvo três vezes seguidas na água a ferver e deixar repousar um pouco fora da panela; 
  3. Colocar o polvo, de novo,  na água a ferver e deixar cozinhar (cerca de 50 minuto) até ficar tenro;
  4. Retirar o polvo, escorrer e cortar em rodelas;
  5. Colocar as rodelas de polvo numa taça/prato, polvilhar com o colorau e regar com um bom fio de azeite;
  6. Deixe “repousar” durante algum tempo para que o polvo absorva todos os sabores.





segunda-feira, 16 de outubro de 2017

II Festival da Cerveja Artesanal com Lúpulo Feirense... sete mil litros de cerveja artesanal!



Sete cervejas artesanais de edição limitada produzidas com lúpulo de Santa Maria da Feira

"É no Mercado Municipal de Santa Maria da Feira – obra do arquiteto Fernando Távora, considerada uma referência na arquitetura tradicional portuguesa e classificada como monumento de interesse público – que terá lugar o II Festival da Cerveja Artesanal com Lúpulo Feirense, nos dias 20, 21 e 22 de outubro."


Com toda a certeza um ótimo programa para o próximo fim de semana, onde vão ser apresentadas sete cervejas artesanais exclusivas, de edição limitada, produzidas com lúpulo fresco cultivado nas margens do rio Cáster. Além das sete cervejas artesanais produzidas especificamente para este festival, estarão presentes as marcas já comercializadas pelos sete cervejeiros convidados, que abastecerão o Mercado Municipal com sete mil litros de cerveja artesanal.

Mas... "nem só de cerveja vive o homem"! À cerveja artesanal vão juntar-se apresentações, gastronomia regional com menus especialmente concebidos para a promoção do evento, workshops, esculturas de Paulo Neves, artesanato urbano, motas clássicas e café racers, concertos e DJ Sets.

A restauração local foi desafiada a participar no evento, apresentando menus associados à cerveja artesanal, confecionados com produtos identitários do território. A  Fogaça da Feira também será uma das estrelas do festival, com propostas muito interessantes de alguns restaurantes Feirenses: 


Tapas Frias
- Tapenade Andaluza
- Mexilhões em escabeche
- Tostas de Salmão Fumado com Queijo Creme
- Tabua de Queijos

Tapas Quentes
- Prego no Caco com Queijo da Serra
- Cogumelos Recheados
- Tortilha de Sardinha
- Tostas de Chevre com redução de vinho do Porto
- sandes de bacalhau ( bacalhau frito, cebolada com cerveja)
- sandes Santa Maria ( pernil de porco assado, cebolada, queijo e fiambre)
- piroguis de maçã biológica ( "rissol" doce)

- Fogaça
- Bola de fogaça
- Muralhas de queijo
- Tiramisú de fogaça
- Toucinho do céu


O Festival da Cerveja Artesanal com Lúpulo Feirense é uma parceria da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira e da empresa local Lúpulo Feirense, que desafiou sete conhecidas marcas de cerveja artesanal a criarem edições especiais à base de lúpulo produzido nas margens do rio Cáster. O acesso ao Mercado Municipal é gratuito, assim como todo o programa de animação.


Vamos?

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Bolo de laranja, creme de laranja, amêndoa e migalhas de massa folhada!






"Se a vida não ficar mais fácil... trate de ficar mais forte!"


Depois disto... aqui está mais um bolo que ficou, perdoem-me a "modéstia" ... espetacular! uma massa de bolo bem fofa, com sabor a laranja, coberto com um creme delicioso, também de laranja. As amêndoas e a massa folhada ajudam na decoração e no sabor. As flores? Orquídeas "emprestadas" pela minha querida mãe. A minha mãe adora orquídeas e elas, tenho a certeza, que também a adoram... 






Bolo 
  • 4 ovos
  • 2 chávenas de açúcar
  • 2 chávenas de farinha de trigo
  • 3 colheres de sopa de manteiga
  • 200 ml de sumo de laranja
  • 1 colher (sopa) de fermento
  • 1 + ½ colher (sopa) de raspa de laranja

  1. Bater muito bem as gemas com o açúcar e a manteiga até obter uma massa homogénea;
  2. Incorporar, com a colher de pau, a farinha, aos poucos, e o sumo e raspa de laranja;
  3. Por último envolver as claras em castelo.
  4. Colocar a massa num tabuleiro untado e polvilhado com farinha e levar ao forno, pré-aquecido (+- 180º), durante cerca de 30 minutos.


Creme

  • 1 lata de leite condensado
  • 1 chávena de sumo de laranja
  • 1 colher (sopa) de farinha de trigo
  • 2 colheres (sopa) de manteiga
  • 2 colheres (sopa) de leite

  1. Dissolver a farinha no sumo de laranja;
  2. Adicionar os restantes ingredientes à mistura anterior e levar ao lume (brando), mexendo sempre até engrossar;
  3. Deixar arrefecer e está pronto a usar.


Montagem
  1. Para o bolo da foto dobrei a receita do bolo e do creme;
  2. Colocar um dos bolos no tabuleiro de servir;
  3. Cobrir generosamente com creme de laranja;
  4. Colocar o outro bolo por cima e voltar a cobrir o topo e as laterais com o creme de laranja;
  5. O bolo esta decorado no topo com amêndoa picada grosseiramente. As laterais estão “cobertas” com migalhas de massa folhada.
  6. Uma flor… e já está. Simples e delicioso.





sexta-feira, 28 de julho de 2017

Gambas & Mostarda ... e viva o Verão!


Depois de uns tempos, digamos, conturbados... que me tiraram do sério e me roubaram a paciência... é tempo de dar a volta por cima e... Com este calor só apetece colocar a mesa no terraço, fazer uma bela sangria, uns petiscos e jantar “fora”. Estas gambas poderão funcionar como uma entrada ou, como prato principal, acompanhadas de uma salada bem fresca.


  • 1kg de gambas
  • 6 colheres (sopa) azeite
  • 1 cebola picada
  • 5 dentes de alho esmagados
  • 200ml de vinho branco
  • 1 caldo de galinha
  • 2 colheres (sopa) de mostarda
  • 4 colheres (sopa) de coentros picados
  • 1 colher (sopa) de farinha


  1. Colocar 3 colheres (sopa) de azeite num tacho, deixar aquecer bem e coloque as gambas. Deixar cozinhar cerca de 5 minutos. Reserve.
  2. Noutro tacho, colocar mais 3 colheres (sopa) de azeite, a cebola picada e o alho esmagado e deixar alourar;
  3. Quando estiver louro, adicionar a farinha e mexer durante cerca de 1 minuto (para cozer a farinha). Adicionar o vinho branco, o caldo de galinha (dissolvido em cerca de meio copo de água a ferver) e a mostarda. Deixar apurar o molho cerca de 2 minutos;
  4. Incorporar o camarão e os coentros no molho (em lume brando) e deixar apurar mais um minuto;
  5. Está pronto!



sexta-feira, 23 de junho de 2017

Manjericos de Chocolate e Hortelã-Menta


"Ó meu rico São João,
As sardinhas já estão a assar.
E para a festa completar,
Bolinho de chocolate para agradar!"

  • 5 ovos
  • 2 chávenas de açúcar
  • 2 chávenas de farinha
  • 1 chávena de óleo
  • 1 pacote de chocolate em pó
  • 1 colher (chá) fermento
  • 1 colher (café) bicarbonato de sódio
  • 1 chávena de chá (bem forte) de Hortelã-Menta a ferver (usei Hortelã-Menta fresca da Aromáticas Vivas)



  1. Misturar os ovos com o açúcar, a farinha, o óleo, o chocolate, o fermento e o bicarbonato de sódio . Bater tudo muito bem;
  2. Adicionar o chá a ferver e continuar a bater até obter uma mistura bem homogénea e fofa;
  3. Levar ao forno a cozer, em vasinhos de barro untados com manteiga e polvilhados com farinha
  4. Depois de cozidos, deixar arrefecer e decorar a gosto.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Compota de cereja


Lá diz o ditado que "A homem farto, as cerejas amargam". Talvez sim, talvez não! A mim não me parece, até porque as cerejas são como as palavras... vão umas atrás das outras! 
As cerejas não são apenas deliciosas, são uma fonte de vitaminas e minerais (Vitamina A, B1, B2, C, niacina, cálcio, fósforo, ferro, lipídeos e flavonoides).  Teremos também de falar da sua beleza: são, simplesmente lindas, atraentes, acho que até lhes podemos chamar de sexys, não concordam? 
Para finalizar, "A cereja no topo do bolo", 12 cerejas têm apenas cerca de 50 calorias. 
Claro está que, quando falamos de compota de cereja também teremos de falar de açúcar. No entanto, já é possível reduzir as quantidades de açúcar das compotas, isto se tivermos bastante atenção a alguns pormenores, como por exemplo a esterilização dos frascos.


  • 1kg de cerejas
  • 500g de açúcar
  • casca de 1 limão pequeno
  1. Num tacho colocar as cerejas bem lavadas, sem o pé mas com o caroço (cá em casa gostamos da compota de cereja com o caroço. As cerejas ficam mais firmes na compota. No entanto, se preferir sem caroço, só terá que ter o trabalho de os tirar);
  2. Colocar o açúcar por cima das cerejas e deixar descansar (sem mexer) cerca de 1 hora;
  3. Ao fim de uma hora, levar as cerejas com o açúcar ao lume, juntamente com a casca de limão;
  4. Deixar ferver cerca de 10 minutos e retire a casca de limão (se a casca de limão ferver durante muito tempo, a compota adquire um sabor demasiado ácido para o meu gosto);
  5. Deixar a compota ferver até adquirir a consistência de "ponto de estrada" (Se colocarmos um pouco da compota num prato e dividirmos com uma colher ao meio, as duas metades não se irão juntar formando uma "estrada" que deixa ver o fundo);
  6. Retirar a compota do lume, colocar em frascos de vidro esterilizados*, colocar a tampa, e virar os frascos ao contrário (com a tampa para baixo) e deixar arrefecer completamente (o ideal é deixar os frascos de "cabeça virada" de um dia para o outro.
*Esterilizar os frascos - Já experimentei várias técnicas para esterilizar os frascos de vidro. Continuo a preferir à moda antiga, ou seja, colocar os frascos e as tampas numa panela, cobertos com água. Levar ao lume e deixar ferver durante 10 minutos. Ao fim dos 10 minutos, retirar os frascos e as tampas (com uma pinça, pois estão a escaldar) e colocar, com as bocas para baixo, sobre um pano limpo. Deixar ficar até serem usados para enfrascar a compota.
E não se esqueça que um frasco bem esterilizado é o primeiro passo para que as suas compotas não se estraguem.