segunda-feira, 29 de maio de 2017

Compota de cereja


Lá diz o ditado que "A homem farto, as cerejas amargam". Talvez sim, talvez não! A mim não me parece, até porque as cerejas são como as palavras... vão umas atrás das outras! 
As cerejas não são apenas deliciosas, são uma fonte de vitaminas e minerais (Vitamina A, B1, B2, C, niacina, cálcio, fósforo, ferro, lipídeos e flavonoides).  Teremos também de falar da sua beleza: são, simplesmente lindas, atraentes, acho que até lhes podemos chamar de sexys, não concordam? 
Para finalizar, "A cereja no topo do bolo", 12 cerejas têm apenas cerca de 50 calorias. 
Claro está que, quando falamos de compota de cereja também teremos de falar de açúcar. No entanto, já é possível reduzir as quantidades de açúcar das compotas, isto se tivermos bastante atenção a alguns pormenores, como por exemplo a esterilização dos frascos.


  • 1kg de cerejas
  • 500g de açúcar
  • casca de 1 limão pequeno
  1. Num tacho colocar as cerejas bem lavadas, sem o pé mas com o caroço (cá em casa gostamos da compota de cereja com o caroço. As cerejas ficam mais firmes na compota. No entanto, se preferir sem caroço, só terá que ter o trabalho de os tirar);
  2. Colocar o açúcar por cima das cerejas e deixar descansar (sem mexer) cerca de 1 hora;
  3. Ao fim de uma hora, levar as cerejas com o açúcar ao lume, juntamente com a casca de limão;
  4. Deixar ferver cerca de 10 minutos e retire a casca de limão (se a casca de limão ferver durante muito tempo, a compota adquire um sabor demasiado ácido para o meu gosto);
  5. Deixar a compota ferver até adquirir a consistência de "ponto de estrada" (Se colocarmos um pouco da compota num prato e dividirmos com uma colher ao meio, as duas metades não se irão juntar formando uma "estrada" que deixa ver o fundo);
  6. Retirar a compota do lume, colocar em frascos de vidro esterilizados*, colocar a tampa, e virar os frascos ao contrário (com a tampa para baixo) e deixar arrefecer completamente (o ideal é deixar os frascos de "cabeça virada" de um dia para o outro.
*Esterilizar os frascos - Já experimentei várias técnicas para esterilizar os frascos de vidro. Continuo a preferir à moda antiga, ou seja, colocar os frascos e as tampas numa panela, cobertos com água. Levar ao lume e deixar ferver durante 10 minutos. Ao fim dos 10 minutos, retirar os frascos e as tampas (com uma pinça, pois estão a escaldar) e colocar, com as bocas para baixo, sobre um pano limpo. Deixar ficar até serem usados para enfrascar a compota.
E não se esqueça que um frasco bem esterilizado é o primeiro passo para que as suas compotas não se estraguem.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Bolo de Iogurte com pepitas de Chocolate e cobertura de chocolate, Kit Kats e Kinder Buenos ... muito chocolate?


Este bolo foi confecionado com muito amor & carinho para o aniversário de um adolescente que, “às vezes” me põe os nervos em franja mas que eu amo incondicionalmente. Nem sei porque pergunto todos os anos qual o bolo que quer para o aniversário. É que a resposta é sempre a mesma: “Bolo de chocolate”! – Pois, mas bolos de chocolate há muitos! E desta vez foi só “bisbilhotar” no blog de um amigo, o Rui, do maravilhoso blog Faz & Come, que encontrei o bolo de chocolate perfeito para este ano … um delicioso bolo de iogurte com gulosas pepitas de chocolate! Ao qual eu, escandalosamente, acrescentei, uma “terrível” cobertura de chocolate e algumas barrinhas de Kit Kat e Kinder bueno! Decadente, muito decadente!!!


  • 200g de açúcar amarelo
  • 220g de farinha (com fermento) + 1 colher (sopa)
  • 5 ovos
  • 250g de iogurte grego natural
  • 80g de óleo
  • 100g de pepitas de chocolate
  • Raspa de 1 laranja


  1. Pré aquecer o forno a 180º;
  2. Bater os ovos com o açúcar até obter um creme bem fofo;
  3. Sem parar de bater, adicionar o óleo e depois o iogurte;
  4. Desligar a batedeira e envolver as 220g de farinha peneirada e a raspa da laranja à mistura anterior;
  5. Colocar as pepitas de chocolate numa taça e juntar a colher (sopa) de farinha. Envolver bem e adicionar à massa, envolver bem.
  6. Colocar a massa numa forma untada e enfarinhada e levar ao forno até estar cozido (cerca de 40 minutos) – faça o teste do palito.



Cobertura de chocolate:
  • 1 pacote de chocolate em pó
  • 1 pacote de natas
  • 1 colher (sopa) de manteiga


  1. Levar todos os ingredientes ao lume até engrossar;
  2. Deixar arrefecer um pouco (o creme vai engrossando à medida que arrefece);
  3. Cobrir o bolo com o creme de chocolate e decorar com barrinhas de Kit Kat e Kinder Bueno.
... os vira ventos são uma "alusão" à adolescência ... "cabeças de vento"!!!

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Tão simples como... Batatas assadas no forno com Alecrim e Chalotas!



Há coisas na vida que são tão simples e, ao mesmo tempo, tão boas! Aromas que invadem a casa e nos levam até memórias antigas mas que estão bem guardadas no coração!

A receita é muito simples e, de certeza, que faz parte das receitas de muitas casas Portuguesas.


  1. Descascar as batatas, cortar em pedaços e colocar de molho;
  2. Escorrer bem as batatas e secar com um pano;
  3. Colocar numa assadeira, juntar 1 ou 2 dentes de alho e algumas chalotas;
  4. Tempere com sal & pimenta, alguns ramos de alecrim e regue com um fio generoso de azeite;
  5. Leve ao forno até estarem assadas. 



quinta-feira, 4 de maio de 2017

Bacalhau fresco com crosta de broa, Manchego, tomilho e cebolinho




Com este tempo que oscila entre o apetece uma sopinha bem quentinha e depois, logo no dia seguinte, apetece uma saladinha bem fresquinha, é difícil decidir o que se vai jantar. Ao almoço lá vamos comendo, todos a horas diferentes e em sítios diferentes. Ao jantar é hora de reunir todos à mesa para comer e partilhar as “aventuras” do dia. Mal entram em casa, os rapazes perguntam logo:
_“Mãe, o que é o comer”?
 – “peixe”, digo eu.
- A sério?, ainda comemos peixe na segunda feira!” – diz o Tomás aborrecido.
Sim, porque se comerem carne todos os dias não se lhes ouve um ai! No entanto, os dias de peixe são todos contabilizados ao mínimo pormenor.
Esta receita “correu bem”. Foi do agrado de todos, até dos “especialistas” do peixe. A receita é inspirada numa da querida Isabel do Cinco Quartos de laranja.


  • 1 filete de bacalhau fresco grande (cerca de 1kg), ou vários mais pequenos
  • 200g de broa esfarelada
  • 50g de manteiga
  • 50g de queijo Manchego
  • 1 colher (sopa) de tomilho fresco
  • 1 colher (sopa) cebolinho picado
  • Sal & pimenta


  1. Secar o(s) filete(s) de bacalhau com papel de cozinha;
  2. Temperar com sal e pimenta;
  3. Mistura a broa com a manteiga amolecida, o queijo ralado, o tomilho e o cebolinho;
  4. Cobrir o bacalhau com esta mistura e pressionar para formar uma crosta;
  5. Regar com um fio de azeite;
  6. Levar ao forno pré aquecido a 200º cerca de 20 minutos.






Receita desenvolvida em parceria com Aromáticas Vivas.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Bolo com cobertura de Maça em Vinho do Porto & Crocante de Amêndoa


Uma deliciosa massa de pão de ló com uma cobertura surpreendente! Até acho que seria uma boa prenda para a mãe...

Para as maças
  • 3 maças
  • 1 cálice de vinho doPorto
  • 2 colheres (sopa) açúcar amarelo

  1. Descascar as maças, partir em 4 e depois fatiar (usei a mandolina da Borner … rápida e eficaz)
  2. Num tacho colocar o açúcar e o vinho do Porto e levar ao lume;
  3. Quando levantar fervura vá colocando as fatias de maçã, durante cerca de 30 segundos de cada lado (a intenção é dar sabor e um pouco de cor às maças e não coze-las por completo)
  4. Reserve

Para o crocante de amêndoa
  • 100 g de amêndoa em palitos
  • 3 colheres (sopa) açúcar amarelo
  • 1 colher (sopa) de água

  1. Levar ao lume o açúcar com a água;
  2. Quando começar a ferver, adicione a amêndoa;
  3. Deixar ferver até que se o açúcar envolva a amêndoa e fique quase sem liquido nenhum;
  4. Reserve.

Para o o Bolo
  • 4 ovos
  • 2 chávenas de farinha
  • 1 + 1/2 chávena de açúcar
  • 1 chávena de água a ferver
  • 1 colher (sopa, rasa) de fermento

  1. Bater as gemas com a água a ferver: adicione a água lentamente e Adicione utilize um recipiente bem grande porque as gemas aumentam muito de volume;
  2. Juntar o açúcar e continuar a bater (o volume começa a diminuir);
  3. Adicionar a farinha, sem parar de bater;
  4. Envolver as claras em castelo e o fermento com uma colher de pau.
  5. Levar ao forno, pré aquecido a 175º,  numa forma untada e polvilhada com pão ralado … usei a Tarteira Corolle 26 cmda Emile Henry, simplesmente linda!
  6. Passados 10 minutes, abra o forno, diminua a temperatura, e disponha as maças e o crocante de amêndoa por cima do bolo, volte a aumentar a temperatura, feche o forno e deixe cozer. O ideal será fazer esta parte sem retirar a forma por completo de dentro do forno … diferenças grandes de temperatura poderão influenciar a cozedura e depois temos bolo com “pito”.
  7. Fazer o teste do palito, retirar do forno e servir.









 Receita executada em parceria com a Borner  e a Sweet Selection

sábado, 15 de abril de 2017

Docinhos de Coco e Leite Condensado



Em primeiro lugar quero desejar uma Santa e Doce Páscoa para todos! E Páscoa que se preze cá em casa tem que ter doces de coco em cima da mesa, para petiscar ... um agora, outro depois. Estes têm leite condensado e são bem húmidos e gulosos! Experimentem que não se vão arrepender!

  • 1 lata de leite condensado,
  • 100 ml de leite
  • 4 ovos,
  • 200 gr de coco ralado
  • sumo de limão a gosto (uso cerca de 2 colheres de sopa)
  • 1 colher de sopa de fermento

  1. Ligar o forno a 180ºC.
  2. Misturar o coco com o leite;
  3. Adicionar o leite condensado e voltar a misturar.
  4.  Bater os ovos e adicionar ao preparado anterior, juntamente com o sumo do limão.
  5. Colocar a mistura em forminhas de papel;
  6. Levar a forno, pré aquecido a 180º. 
  7. Quando ficarem douradinhos estão prontos.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Bolo de maionese e pistachios




Que horror!!! Maionese... as primeiras receitas de bolo com maionese que vi, pensei o mesmo "maionese e bolo não combina, ponto final." - Mas, a vida tem muitas reticencias e virgulas não é verdade? E logo eu, que passo o tempo a dizer aos meus filhos que não podem dizer que não gostam sem provar! Depois investiguei e, parece, que a "ideia" de colocar maionese nos bolos surgiu durante a segunda guerra mundial devido à escassez de alimentos.
A maioria dos bolos com maionese que encontramos juntam outro ingrediente à maionese... o chocolate. No entanto, resolvi fazer com um fruto seco e a escolha recaiu sobre os pistácios (não foi fácil convencer o Tomás a dar-me alguns dos SEUS pistácios... "pistacio's addicted").
Quanto ao resultado... fiquei convencida: uma textura suave em contraste com o crocante dos pistácios. Acabei com uma cobertura generosa de natas batidas e framboesas. E não, não sabe a maionese!


  • 225 g de açúcar amarelo
  • 200 g de maionese (usei Heinz light, tem um sabor mais suave)
  • 6 ovos
  • 180 g de farinha
  • 1 colher (sopa) de fermento
  • 120 g de miolo de pistácios
  1. Bater o açúcar com a maionese até obter um creme fofo;
  2. Adicionar as gemas e continuar a bater;
  3. Juntar (com a colher de pau) a farinha peneirada com o fermento e os pistácios grosseiramente picados;
  4. Envolver as claras em castelo;
  5. Levar ao forno pré aquecido, em forma untada e enfarinhada, durante cerca de 45 minutos (180º)
  6. Desenforme e deixe arrefecer completamente;
  7. Decore o bolo com natas batidas em chantilly, framboesas e alguns pistácios.















segunda-feira, 20 de março de 2017

Tarte de maçã, amêndoa, passas e açúcar mascavo




De vez em quando a vida faz-nos uma rasteira. De um momento para o outro algo nos aflige, nos tira o sono. Parece que a vida nos é madrasta, nos põe à prova. Memórias de infância estremecem as nossas recordações e o mundo faz-nos pensar que somos muito pequeninos, frágeis. Nada podemos fazer além de ter esperança e esperar que o mundo nos volte a sorrir! E para festejar sorrisos, sai uma tarte de maçã, embrulhada (como lhe chama o meu Bernardo), muito boa, simples e bonita! Aproveitem as coisas simples da vida ... podem começar por esta tarte de maça!!!

  • 1 embalagem de massa folhada ou massa quebrada
  • 3 maçãs grandes
  • 3 colheres (sopa) de açúcar amarelo
  • 1 pau de canela
  • 3 colheres (sopa) de amêndoa laminada
  • 2 colheres (sopa) de uvas passas
  • 1 gema de ovo


Num wok colocar as maçãs cortadas em palitos finos (esta tarefa será muito mais fácil se usar a mandolina da Borner), a amêndoa, as passas, o açúcar e a canela e deixe cozinhar;
Quando as maças estiverem cozidas, retirar do lume e reservar.









Agora vamos à massa folhada ou quebrada:

Primeiro temos que desenrolar a massa e fazer cortes na lateral como pode ver na foto abaixo:




Colocar o recheio de maçã no centro da massa e dobrar as "abas" da massa para o centro. 




Pincelar a tarte com gema de ovo e levar ao forno pré aquecido (180º) até a massa estar cozida e douradinha.


quinta-feira, 16 de março de 2017

Bagels


De acordo com o Tomás, o “especialista” em Bagels cá de casa, “um Bagel é... um pão! Mas é um pão especial, é uma rodinha, fofinha por dentro e estaladiça por fora.” Meu querido Tomás, não conseguiria descrevê-lo melhor!
Os ingredientes são básicos: farinha, fermento, água. A confeção é que é um bocadinho diferente: primeiro são escaldados em água a ferver e só depois vão ao forno.
Os Bagels são bastante populares pelo mundo. Facilmente os encontramos em grandes cidades como Nova Iorque, Toronto, Londres, Paris, Amesterdão ou Zurique.
A sua origem é desconhecida. No entanto, há várias referências a que, no ano de 1683,  um padeiro austríaco quis homenagear o Rei da Polónia, por ter salvo o seu povo de um ataque de invasores turcos. O padeiro moldou o pão em forma de círculo. O círculo era parecido com um estribo… a palavra austríaca para estribo é “beugel”. 
Os Bagels foram levados para os EUA por imigrantes judeus do leste europeu no final do século XIX. E aí a moda alastrou-se. Hoje os Bagels fazem parte da cultura gastronómica norte-americana. Podemos encontra-los simples ou com recheios doces ou salgados.
Cá em casa duram pouco e são muito difíceis de fotografar! Isto porque, desaparecem rapidamente. É vê-los a “fugir” sozinhos ou então, acompanhados com manteiga, fiambre, salmão e queijo fresco, compotas e até mesmo Nutella.

Para os preparar temos uma grande ajuda: as formas cónicas da Lékué. Têm um design inovador, projetado para preparar Bagels de forma fácil e divertida: ajudam a dar forma ao Bagel, mantêm a forma redonda e o orifício ao serem fervidos, drenam a água e conseguem um Bagel muito mais crocante. Pode adquirir as formas da Lékué na loja da Sweet Selection.

Para o fermento:

  • 15 gr de fermento fresco ou 6 gr de fermento biológico seco
  • meia colher (chá) açúcar
  • 125 gr de água à temperatura ambiente
Para a massa:
  • 240 gr de farinha
  • Meia colher (chá) de sal
  • 30 gr de açúcar
  • 30 gr de manteiga
Para ferver:
  • água
  • 1 colher (chá) de bicarbonato
Para decorar:
  • Sementes de sésamo q.b.
  1. Pré aquecer o forno;
  1. Colocar numa tigela todos os ingredientes do fermento. Reservar;
  1. Colocar todos os ingredientes secos para a massa numa tigela;
  1. Adicionar aos ingredientes secos a mistura do fermento e depois a manteiga à temperatura ambiente;
  1. Amassar até obter uma textura suave;
  1. Formar uma bola com a massa, colocar dentro de uma tigela, tapar com um pano e deixar repousar cerca de 1 hora para levedar (evite correntes de ar);
  1. Depois de levedar, dividir a massa em 6 partes (+-70 gr cada);
  1. Formar bolas e colocar as bolas nas formas dos Bagels;
  1. Deixar repousar cerca de 20 minutos;
  1. Colocar água com o bicarbonato numa panela e levar ao lume. Quando começar a ferver, mergulhe as formas com a massa cerca de 10 segundos cada (o Bagel é fervido para melhorar a textura);
  1. Salpicar os Bagels com as sementes de sésamo e levar ao forno, nas formas durante cerca de 15 minutos (200º)


Bem, agora pode comer simples, com manteiga, salmão fumado e cebolinho, compotas ... dê largas à sua imaginação!


segunda-feira, 6 de março de 2017

Chicken Tikka Masala ... hiper, mega rápido!



Gostam de cozinha Indiana? Então o nome Tikka Masala faz parte do vosso vocabulário: pedaços de frango envolvidos num molho delicioso, com travo a gengibre, coentros, cominhos, tomate, caril… tão bom!!! Não conhece? – Então meu amigo ou minha amiga, atreva-se e experimente, até porque faz parte da cultura gastronómica.

Pois, o meu Chicken Tikka Masala! Foi uma agradável surpresa quando experimentei o molho Tikka Masala da Patak’s. Ideal para quando nos apetece muito um franguinho Tikka Masala… e começamos a imaginar aquela explosão de sabores na boca … mas NÃO nos apetece sair de casa, por nada neste mundo! Em 20 minutos tem um Chicken Tikka Masala delicioso e é tão fácil, mas tão fácil de fazer!!! Ora vejam:



  1. Saltear os cubos de frango num pouco de azeite (só para selar a carne)
  2. Adicionar o molho e os cogumelos e deixar ferver até o frango estar cozido (cerca de 15 minutos)


E pronto, já está! … acompanhe com arroz branco!